Coqueluche é uma infecção aguda respiratória causada pela bactéria bordetella pertussis. Na medicina oriental é chamada de tosse dos 100 dias, pois a tosse demora a passar e é esse o sintoma mais comum. A doença é contagiosa, por isso é preciso de prevenção tomando vacina. E tem tido aumento de casos nos últimos anos em diversos países, sendo também considerada uma doença recorrente.

O contágio se dá pelo contato direto com a pessoa infectada ou por gotículas que são despejadas pelo contagiado ao tossir, espirrar ou falar. A infecção pode acontecer em qualquer época do ano e em qualquer fase da vida, mas principalmente nas crianças menores de dois anos.

Quais os sintomas da coqueluche?

  • Catarro 
  • Muita coriza
  • Conjuntivite com lacrimejamento
  • Febre baixa
  • Tosse seca com ruído característico
  • Vômito após episódio de tosse
  • Convalescência (duração de 1 a 6 semanas)

Existe um período de incubação que varia entre 7 e 17 dias. Os sintomas duram cerca de 6 semanas e podem ser divididos em três estágios consecutivos;

  • Estágio catarral (pode durar até duas semanas): febre baixa, coriza, espirros, lacrimejamento, falta de apetite, mal-estar, tosse noturna, sintomas que, nessa fase, podem ser confundidos com os da gripe e resfriados comuns;
  • Estágio paroxístico (da segunda semana em diante): acessos de tosse incontrolável. Apesar de durar pouco, é uma tosse atrás da outra, sem que tenha tempo para respirar.
  • Estágio de convalescença: em geral, a partir da quarta semana, os sintomas vão diminuindo até sumir.

E o tratamento?

O tratamento é antimicrobiano para acabar com as bactérias, feito em casa, mas com supervisão médica. No entanto, não diminui a duração dos sintomas. Mas age na cura e na diminuição do contágio. A hospitalização só é necessária quando tem algumas complicações. Além disso: 

  • Em alguns casos podem ser necessário suporte ventilatório em internação hospitalar;
  • Tratamento de co-infecção – pode acontecer infecção concomitante, devido ao sistema imunológico debilitado.
  •  Corticóides (anti-inflamatórios) e anti-histamínicos caso não haja melhora.

Há uma faixa etária que corre mais riscos se infectada?

Bebês têm maior risco de pegar a infecção. Principalmente, os que não tomaram, no mínimo, três doses da vacina pentavalente. Em recém-nascidos as doenças costumam ser mais graves, pois ainda não receberam a primeira dose da vacina. Em 70% dos casos que chegam a óbito por coqueluche ocorrem em recém-nascidos.

Recomendações

Após receber o diagnóstico, alguns cuidados necessários:

  • O paciente com coqueluche precisa ficar em isolamento respiratório no período de transmissão da doença.
  • Além do isolamento, a pessoa contagiada precisa ficar em um lugar arejado. 
  • É preciso ingerir líquido com frequência para não desidratar, fazer refeições leves e em pequenas quantidades.
  • Os utensílios de cozinha e higiene pessoal devem ser separados do restante da casa.
  • As pessoas que convivem com o contagiado devem tomar a vacina contra o coqueluche.
Categorias: Saúde e bem-estar