Após duas semanas de vida, praticamente todos os bebês ficam irritados sem qualquer motivo aparente. Algumas vezes, essa irritação pode se prolongar em um choro contínuo que os pais não sabem e não conseguem acalmá-lo. Essa fase é um desafio para todos os  pais e, na maioria das vezes, são as famosas cólicas.

Se o seu pequeno sofre de choro alto e intenso por mais de duas horas, sem motivo aparente, se estendendo por dias durante a semana, ele pode estar sentindo cólicas. Entre duas a quatro semanas de vida inicia esse desconforto, apesar de geralmente ocorrer no período da noite, pode acontecer a qualquer momento. Infelizmente, estima-se que um quinto dos bebês sentem cólicas, independente do gênero ou se a alimentação é exclusiva de leite materno ou fórmula. Seu pico costuma ser no segundo e no terceiro mês de vida do bebê, amenizando e raramente aparecendo depois dos três meses. Obviamente, cada bebê tem um organismo e seu tempo, podendo assim, variar.

 

Os médicos ainda não descobriram a causa das cólicas, supõem alguns fatores que possam explicar suas causas:

– O sistema digestivo do bebê se desenvolvendo gradualmente;

– Refluxos que geram desconforto;

– O bebê pode estar com gases que causam dor;

– O ambiente pode estar super estimulando o bebê e, no período da noite, ele já se sente exausto;

– Algumas pesquisas apontam que as alergias por alimentos, até mesmo o leite materno, pode causar cólicas.

Principais sintomas

É natural que os pais fiquem aflitos e não saibam de início a diferença entre choro normal e o choro por cólica. Então, algumas dicas para te ajudará a identificar quando o seu bebê está com cólica:

Ele encolhe e estica as pernas, fica mexendo os braços, também, com as mãozinhas fechadas, arqueia as costas, fica com o rostinho corado ou avermelhado durante o choro, aparentando dor. A barriga pode ficar inchada, também, por conta do ar que engole enquanto chora ou porque o bebê precisa arrotar depois de mamar.

É possível evitar cólicas?

Muitos pais ficam sem saber o que fazer nesses momentos e deve ser desesperador ver seu filho sentir dor e não saber como pode ajudar seu bebê. Alguns estudos defendem que, dar colo ao bebê com o contato pele a pele nas primeiras semanas de vida, pode ajudá-lo a ter menos episódios de choro. 

Sempre quando o bebê estiver com fome, alimente-o, de início, não se apegue tanto aos horários, mas tente estabelecer uma rotina. Coloque-o para arrotar depois de cada mamada, de bruços sobre os seus ombros, dê tapinhas leves em nas costas do bebê. Mantenha a coluna ereta enquanto você da ao seu pequeno mamadeira ou o peito para que ele não engula ar. Se atente a pega ou ao bico da mamadeira, pois dependendo de como faz a sucção, ele pode engolir ar.

Como posso acalmar meu bebê?

– Balance-o no seu colo levemente

– Ofereça chupeta, caso ele use, pode acalmá-lo devido ao movimento de sucção;

– Coloque-o na cadeirinha de balanço com chocalho na parte superior da cadeira, o balançar pode acalmá-lo e o brinquedo distraí-lo;

– A posição canguru pode ajudar a aliviar a dor ou a posição sling e caminhe com ele. Ou o deixe próximo ao seu peito, de barriga para baixo e massageie suas costas;

– Coloque uma música relaxante de fundo;

– Dê um banho morno nele com extrato de camomila e luz bem baixinha.

Procure mudar os métodos por semana para poder avaliar melhor o que funciona e o que não. Algumas vezes, o bebê vai chorar mesmo fazendo tudo isso, mas fique calma, é só uma fase e vai passar. Caso a cólica persista o ideal é procurar ajuda do pediatra.

Cuidar de um bebê não é fácil, muitas vezes os pais podem se sentir frustrados, ansiosos, impotentes e irritados com essa situação. Mesmo diante de tamanha tensão, tenta cuidar e controlar suas emoções. Não chacoalhe seu bebê, isso pode causar hemorragia e problemas ´sérios permanentes. Não deixe o seu bebê chorando caso ele tenha cólica. Quando estiver muito estressada, peça para alguém cuidar dele durante um tempinho e se acalme, você precisa se cuidar para cuidar dele. Caso esteja sozinha, deixe-o no berço ou em algum lugar seguro e vá para outro cantinho da casa respirar um pouco por uns minutos.

Peça ajuda a amigos e familiares, não há problema algum em não dar conta de tudo. Entre em grupo de mães nas redes sociais, assim, terá acesso às dicas, conselhos e poderá desabafar um pouco com quem vive a mesma realidade. E não se sinta culpada, caso tente acalmar o seu pequeno e não consiga, as dicas são para que ele se sinta melhor mesmo com dor, pois, infelizmente, essa é uma característica dessa fase.


0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado.